Os Seis Chapéus do Pensamento: Como Organizar as Ideias da sua Equipe

Você já parou para perceber o quão confuso muitas vezes são os seus pensamentos?

Eles vêm e vão aparentemente sem qualquer ritmo ou razão. Emoções se misturam com pensamentos racionais, memórias e esperanças para o futuro. Juntos, pensamentos e emoções formam uma teia emaranhada que torna difícil pensar com clareza, especialmente quando se trata de tomar decisões.

Ainda assim, já que pensar é uma habilidade como qualquer outra, nós realmente podemos tomar algumas medidas para melhorá-la.

Dessa forma, em 1985, Edward de Bono publicou a primeira versão do seu livro “Os Seis Chapéus Do Pensamento”, no qual descreve uma ferramenta para discussão em grupo envolvendo seis chapéus coloridos.

O método dos seis chapéus busca compartimentalizar diferentes tipos de pensamento de forma que cada um deles tenha o tempo que merece, sem que você precise interromper seu processo de pensamento.

 

Os Seis Chapéus do Pensamento

Qual o principal obstáculo que te impede de pensar com clareza? A resposta: confusão!

Quando nós processamos informação, nos confrontamos com um número variado de pensamentos ao mesmo tempo: alguns são emocionais, outros informativos, outros são lógicos e outros ainda são criativos. Tentar processar todos eles ao mesmo tempo é como fazer malabarismo.

A solução? O método dos Seis Chapéus do Pensamento.

Então, vamos começar dando um exemplo de como ele pode ser utilizado. Vamos dizer que você é um gerente, e deseja saber qual a reação emocional que sua equipe possui sobre determinado projeto. Contudo, você sabe que seu time não mostrará suas verdadeiras emoções facilmente em uma reunião, pois as pessoas sentem medo de serem julgadas por suas emoções e preferem muitas vezes evitar esse assunto.

Ainda assim, se você aplicar o método e ensinar a todos os integrantes da equipe que o chapéu vermelho se refere aos pensamentos emocionais, você poderia falar “Vamos tentar pensar um pouco com o chapéu vermelho agora”. A neutralidade da cor permite que a equipe pense emocionalmente sem se sentir constrangida.

Por isso, na prática, sempre nos referimos aos chapéus pela cor, e nunca pela sua função.

 

O que cada chapéu simboliza?

Certo, uma vez que você entenda que os chapéus são sempre referenciados pelas cores e não pelas funções, é justo que sua próxima pergunta seja, “Mas o que cada chapéu simboliza? ”

É nessa discussão que entraremos a seguir:

Chapéu Branco – pense como um computador

Se você imaginar um computador, todo seu processamento é baseado puramente em cálculos, e em fatos predeterminados. Ele faz o que é programado para fazer, sem interpretar se o que está fazendo é bom ou ruim.

Esse tipo de pensamento é o que temos com o chapéu branco.

O chapéu branco é utilizado para discutir as informações que já estão atualmente disponíveis e identificar informações que podem ser necessárias no projeto. Quando estiver utilizando o chapéu branco, você não estará se preocupando com opiniões, mas apenas com os fatos. Aqui, você não se preocupara com o que acredita ser verdade, as com dados estatísticos.

Então, quando o chapéu branco é mais recomendado?

Utilize esse chapéu quando estiver iniciando um novo projeto, e precisa de uma base concreta de discussão baseada em informações coletadas previamente. Assim, você pode contemplar quais informações você já tem sobre o projeto e averiguar quais informações ainda estão faltando.

Por exemplo, para uma estratégia de marketing, é importante que todos os integrantes da equipe consigam ver alguns números, como o orçamento e a abrangência da campanha.

 

Chapéu Vermelho – seja honesto com as suas emoções

Então, o que é o contrário de pensar com neutralidade, objetividade e dados estatísticos? Esse é o chapéu vermelho, portanto se prepare aqui para abrir suas emoções.

Ao usar esse chapéu, todos os integrantes da equipe podem se abrir e expressar o que estão sentindo sem precisar se explicar ou justificar.

Basicamente, as suas intuições são baseadas em experiências, então é importante que você fale coisas como “Eu sinto que essa estratégia é um pouco arriscada”, pois isso pode ser útil na discussão. Dessa forma, é também importante aqui que o líder do grupo nunca peça para que as pessoas expliquem ou validem o que estão sentindo.

Uma vasta gama de sentimentos pode ser expressa aqui. Desde entusiasmo (“Eu amei o projeto!”), até sentimentos ambivalentes (“Ainda não tenho tanta certeza”), ou ainda sentimentos de descontentamento (“Eu odiei isso!”).

 

Chapéu Preto – preocupações e resultados negativos

O chapéu preto se refere aos cuidados que precisamos tomar durante o projeto. Ele se preocupa em balancear os prós e contras, e pesar isso contra seus valores pessoais ou da empresa. Ele nos impede de trabalharmos contra nosso melhor interesse, nos alertando de atividades ilegais, perigosas ou não muito rentáveis.

Com o chapéu preto, é permitido criticar e demonstrar seus julgamentos relacionados ao projeto. Apontar erros e dificuldades que podem impedir a conclusão de suas tarefas.

Apenas tenha cuidado para não passar muito tempo com o chapéu preto, ou ser cuidadoso acima do necessário. Algumas pessoas passam muito tempo encontrando as falhas de cada projeto, e como consequência acabam não progredindo muito nas alternativas. Lembre-se que todo projeto possui diversas falhas no início, mas isso não significa que você não deveria investir na sua realização.

 

Chapéu Amarelo – o eterno otimista

Você já teve algum momento na vida em que tudo parecia ser possível? Esses momentos ocorrem quando você está pensando com o chapéu amarelo. Ele se caracteriza por pensamentos otimistas e voltados aos possíveis benefícios do que estão sendo discutidos.

Pensar com o chapéu amarelo é muitas vezes mais complicado que pensar com o chapéu preto. Nosso cérebro está muito mais projetado parar nos alertar de possíveis perigos do que para encontrar possíveis benefícios. Ainda assim, ao cultivar o chapéu amarelo você estará desenvolvendo a habilidade de encontrar valor em ideias não muito atrativas, o que pode vir bem a calhar dentro da sua empresa.

Agora, isso não significa que você estará sonhando. O chapéu amarelo idealmente se baseia em argumentos lógicos. Ser otimista não significa que devemos nos enganar. Dessa forma, esse chapéu não deve ser usado para fantasiar sobre como o novo plano de marketing salvará a sua empresa da falência, ou sobre como você ficará bilionário e aparecerá em todas as revistas de negócios.

Utilize o chapéu amarelo para pensar sobre o que o novo plano de marketing pode realisticamente alcançar para a sua empresa.

 

Chapéu Verde – buscando por alternativas

Chegou a hora de despertar sua criatividade! O chapéu verde se refere às novas ideias, conceitos, alternativas e alternativas para alternativas.

Usar o chapéu verde significa estar aberto para novas possibilidades de melhoria para sua situação, e considerar até mesmo aquelas ideias malucas que parecem impossíveis de serem feitas.

O chapéu verde é comumente utilizado para buscar alternativas para os empecilhos encontrados durante o chapéu preto. Enquanto que o chapéu preto pode te ajudar a encontrar os principais perigos na sua nova estratégia de marketing, o chapéu verde pode te ajudar a criar novos caminhos que evitem totalmente esses riscos.

Durante o chapéu verde, é importante também que o líder do grupo dê a palavra para as pessoas que não se consideram muito criativas. Isso porque criar algo totalmente novo é um processo coletivo, e não deve depender apenas de uma pessoa. Todos nós conseguimos ser criativos quando começamos a nos esforçar.

 

Chapéu Azul – ganhando perspectiva

Por último, o chapéu azul funciona como um “gerente” dos demais chapéus. Ele é comumente utilizado no início das reuniões para definir o propósito da reunião e decidir quais chapéus devem ser utilizados.

Talvez, essa próxima reunião precise mais de chapéus pretos e verdes, mas a próxima precisará da presença dos chapéus amarelos e vermelhos. Independente do caso, essa decisão é sempre tomada com o chapéu azul.

Tipicamente, o líder da equipe permanecerá utilizando o chapéu azul durante toda a sessão, pois é o responsável por comandar qual a sequência de chapéus que serão utilizados. Contudo, podem também existir reuniões em que todas as pessoas utilizem esse chapéu, permitindo a todos fazerem sugestões processuais.

Além disso, ao final de toda reunião, cabe ao integrante com chapéu azul averiguar quais serão os próximos passos que serão dados depois de finalizada a sessão.

 

Como usar cada chapéu?

Uma vez que você entenda o que cada chapéu simboliza, chegou a hora de conversarmos sobre como devemos utilizá-los. Existem basicamente duas formas de usarmos cada chapéu: um único chapéu por reunião, ou em sequência.

 

Utilizando Apenas Um Chapéu

Quando apenas um chapéu é escolhido para determinada reunião, ele funciona como um símbolo de que você quer se concentrar em um tipo particular de pensamento. Dessa forma, ao assegurar que todos os integrantes da equipe estejam vendo o problema da mesma perspectiva, a linha de raciocínio se aprofunda e você chega a conclusões que não conseguiria de outra forma.

Uma vez que as pessoas sejam treinadas no vocabulário e uso dos chapéus, elas saberão exatamente como responder ao seu pedido: peça para pensarem com o chapéu verde e todos saberão que devem começar a procurar por alternativas.

 

Utilizando Chapéus em Sequência

A outra forma de utilizar os chapéus é em sequência. Nesse caso, utilize quantos chapéus preferir e em qualquer ordem, dependendo do que o grupo quer alcançar. Por exemplo, o líder do grupo pode pedir que todos troquem de chapéu branco para amarelo, deixando totalmente de lado o chapéu vermelho.

Os membros do grupo precisam da disciplina para usar e manter apenas o chapéu escolhido e solicitado no presente momento. Para isso, é necessário que exista um líder de discussão, que tenha o poder de mudar os chapéus, e chamar a atenção daqueles que estejam fugindo do tema do chapéu.

Para otimizar a utilização do tempo, você também pode cronometrar um minuto para cada membro da reunião falar no chapéu escolhido. Dessa forma, você pode primeiramente escolher o chapéu preto, e pedir para todos falarem por um minuto sobre os impactos negativos que conseguem ver no projeto. Em seguida, escolha o chapéu verde e cada pessoa começa a buscar alternativas que combatam os impactos negativos que encontraram previamente.

 

Considerações Finais

Bom, agora que você aprendeu a estratégia dos seis chapéus, você pode estar se perguntando por que você utilizaria essa estratégia. A resposta é simples: ela economiza seu tempo e dinheiro, e principalmente reduz o tempo de discussões em reuniões. Isso porque as linhas de raciocínio dos seus colaboradores não ficarão mais perdidas durante as reuniões. Com os seis chapéus, você pode organizar a discussão e não perder tempo com maus entendidos.

Além disso, você pode facilmente visualizar que tipos de pensamentos são mais comuns no seu grupo, e quais deles estão faltando. O importante não é que cada pessoa seja excelente com cada um dos chapéus, mas que quando estejam em grupo, somem todas as suas habilidades para criar e executar ideias inovadoras e rentáveis.

Agora, com qual dos 6 chapéus você mais se identifica? Cada um de nós possui maior afinidade com uma ou duas formas de pensamento. Portanto, qual é a sua? Deixe a resposta nos comentários logo abaixo. Estarei aqui, aguardando o seu comentário!

About Leonardo Puchetti Polak

Especialista em Produtividade Pessoal, apaixonado por alta performance, tecnologia e neurociência.

Quer receber e-mails sobre como ter uma equipe mais produtiva?

Então se inscreva na lista

redirect=/confirmacao-audio-ebook/

Seu comentário me motiva a continuar escrevendo...

2 Respostas para “Os Seis Chapéus do Pensamento: Como Organizar as Ideias da sua Equipe

  • Falando com o chapéu vermelho, não gostei dessa estratégia. Não creio que seja possível compartimentalizar os pensamentos. Acho até que o grande diferencial da mente humana é a capacidade de migrar de um pensamento a outro, conectando-os e fazendo interrelacionamentos.
    Pode ser uma boa forma de se conduzir reuniões, mas não de se organizar pensamentos.

    • Olá Everton, como vai?
      Olha que interessante o que você acabou de colocar. Eu concordo 100% com o que você falou no que se refere ao diferencial da mente humana. Eu também acredito que nosso diferencial está na nossa capacidade de migrar de um pensamento a outro e criar diversos relacionamentos.
      Contudo, eu não vejo isso como um motivo para desgostar da estratégia.
      Isso porque, ao meu ver, a técnica dos seis chapéus possui dois objetivos interessantes:
      1 – Permitir que você visualize que seu cérebro possui ao menos 6 capacidades, e que você está perdendo muito caso fique bitolado em apenas duas ou três formas de pensar;
      2 – Permitir que você dê o tempo necessário para sua cabeça concluir e aprimorar uma linha de raciocínio antes de migrar para alguma outra relação ou forma de pensar.
      Para mim, esses dois objetivos amplificam o potencial da nossa mente, sendo extremamente úteis na resolução de problemas/conflitos e, como você disse, na condução de reuniões.

      Parabéns por iniciar essa reflexão!
      Forte abraço,
      Leonardo Polak