Ser Ocupado vs. Ser Produtivo: Como está a qualidade do seu tempo?

Em 1965, o físico norte-americano Richard Feynman foi consagrado com o prêmio Nobel de Física, sendo até hoje considerado como uma das mentes mais brilhantes do século 20. Como é de se esperar, Feynman possuía uma visão de mundo diferente da maior parte das pessoas, mas o que realmente surpreende é que Feynman era considerado por seus colegas como uma pessoa preguiçosa.

Em uma entrevista para a BBC em 1981, Feynman se descreve como “Eu sou irresponsável. Eu falo para todo mundo que eu não faço nada. Se alguém me pede para fazer parte de um comitê… eu digo não”.

Ao estudar hábitos de artistas e empresários de elite, vemos que essa tendência de Feynman acaba não sendo a exceção, mas sim a regra. Por exemplo, o famoso escritor de ficção científica Neal Stephenson é visto da mesma forma que Feynman. Por não responder a mensagens em redes sociais, nem e-mails dos seus fãs, nem mesmo participar de congressos ou encontros, Stephenson também é rotulado como “preguiçoso”.

 

Como isso é possível?

Embora possa parecer estranho que pessoas tão bem-sucedidas possuam hábitos “preguiçosos”, na realidade o que eles fazem é eliminar sistematicamente distrações, de forma a conseguirem grandes blocos de tempo para fazer o trabalho que tanto gostavam.

Como Neal Stephenson coloca em seu artigo “Por que eu sou um mau correspondente”:

Quatro horas de silêncio são um recurso que posso colocar em bom uso. Duas fatias de tempo, cada uma com duas horas, podem somar as mesmas quatro horas, mas não são nem mesmo de perto tão produtivas quanto quatro horas seguidas. Se eu sei que vou ser interrompido, eu não consigo me concentrar, e se eu suspeito que vou ser interrompido, eu não consigo fazer absolutamente nada.

 

Você não tem tempo?

Se você falasse para John Robinson, pesquisador em administração do tempo, que não possui tempo para realizar seus projetos, ele provavelmente discordaria de você. Robinson defende que embora as pessoas achem que estão trabalhando mais a cada ano, elas estão fazendo justamente o contrário. Ao estudar diários onde as pessoas relatam como utilizam seu tempo, ele mostra que nos últimos 40 anos estamos trabalhando cada vez menos.

Embora exista o sentimento que estamos trabalhando cada vez mais, e sintamos como se não tivéssemos tempo, o que acontece é que esse tempo está fragmentando por diversas pequenas atividades, fazendo parecer como se não houvesse tempo para tudo.

De uma perspectiva neurológica, faz sentido que fragmentemos nosso tempo para trabalhar em mais atividades. Ao completar uma tarefa, mesmo que de pequena importância, nosso cérebro ativa sistemas de recompensa, os quais nos fornecem satisfação.

Nosso cérebro possui dificuldade em processar a importância das tarefas executadas, e se preocupa muito mais com a quantidade de tarefas finalizadas. Dessa forma, responder a 50 e-mails parece ser muito mais produtivo que escrever apenas duas páginas no seu plano de marketing. Isso porque você disparou mais vezes o seu sistema de recompensa.

Ainda assim, não são raros os casos em que a escrita do seu plano de marketing terá muito mais impacto na sua empresa que responder os 50 e-mails.

 

Ser ocupado vs. Ser Produtivo

Em seu livro Deep Work: Rules for Focused Success in a Distracted World, Cal Newport defende que existem dois tipos de trabalho: trabalho superficial (shallow work) e trabalho profundo (deep work).

Para Newport, o motivo pelo qual você está sempre ocupado, mas ainda assim não consegue ser produtivo, é que você está priorizando trabalhos superficiais, como responder a e-mails, participar de reuniões, fazer ligações e ler relatórios.

Não me entenda mal, tudo isso faz parte do seu trabalho, mas provavelmente existem outras tarefas mais importantes que você precisa dar prioridade. Para ser realmente produtivo, você precisa ir além da superfície e mergulhar de cabeça em trabalhos mais profundos, os quais exigem energia, tempo, concentração e muita reflexão.

Para colocar nas palavras de Newport:

Trabalho profundo é focar sem distração em tarefas cognitivamente exigentes, e trabalho superficial descreve atividades que são mais lógicas por natureza, que não requerem concentração intensa.

 

A Fórmula da Produtividade

Newport ainda descreve a seguinte fórmula para descrever sua produtividade:

Alta Qualidade de Trabalho = (Tempo Gasto) x (Intensidade de Foco)

Com essa formula, Newport quer nos fazer enxergar que para maximizar nossos resultados em um determinado tempo, precisamos maximizar a intensidade, ou o foco, que possuímos no trabalho. Portanto, para conseguirmos realizar um trabalho com qualidade, precisamos de grandes blocos de tempo, os quais nos permitem maior foco e concentração.

No artigo “Como gerenciar interrupções no ambiente empresarial”, eu discuti algumas estratégias que visam fazer com que você pare de ser interrompido. Eu sugiro utilizar essas estratégias para criar os blocos de tempo necessários para realizar esses trabalhos que vão além da superfície.

 

Rastreando tempo de Qualidade

Encontrar o tempo para priorizar trabalho importante é apenas o início. Nas palavras de Peter Drucker “O que pode ser medido, pode ser finalizado”. Para conferir se você está realmente utilizando seu tempo em trabalho profundo, ao invés de superficial, você deve rastrear seu progresso.

Uma ideia proposta por Cal Newport é manter um quadro de contagem, onde você possa colocar quantas horas por dia ficou imerso em trabalho profundo. Pode parecer bobo, mas manter uma contagem evita que você chegue ao final da semana pensando “Eu estive ocupado essa semana, então devo ter feito um bom trabalho”.

Caso mantenha uma contagem de horas, você manterá um viés direcionado a ação, e se sentirá envergonhado caso chegue ao final da semana tendo trabalhado apenas 1 ou 2 horas em trabalhos realmente importantes.

Apenas através da contagem você conseguirá ter noção se está mesmo trabalhando nas suas atividades mais importantes. E caso não esteja, busque delegar de maneira mais eficiente suas tarefas, assim como elimine distrações que não estão favorecendo sua concentração.

About Leonardo Puchetti Polak

Especialista em Produtividade Pessoal, apaixonado por alta performance, tecnologia e neurociência.

Quer receber e-mails sobre como ter mais foco?

Então se inscreva na lista

redirect=/confirmacao-audio-ebook/

Quer receber e-mails sobre mudança de minset?

Então se inscreva na lista

redirect=/confirmacao-audio-ebook/

Seu comentário me motiva a continuar escrevendo...