Quem foi que disse que Dinheiro não compra Felicidade?

Quantas vezes você já ouviu que “dinheiro não compra felicidade”? Quantas vezes você já se questionou se isso é realmente verdade?

Bom, todos nós gastamos muita energia pensando sobre o que precisamos fazer para sermos felizes, ou então se já somos felizes o suficiente. Consideramos qual o melhor relacionamento, se devemos procurar um novo emprego, ou se deveríamos conversar mais com nossos pais. Tentamos entender quais são os melhores hábitos que precisamos desenvolver, tentamos utilizar nosso dinheiro da melhor forma possível, e queremos sempre estar no controle do nosso tempo.

Entretanto, a realidade é que muitas vezes não sabemos exatamente qual a melhor maneira de ficarmos felizes. Muitas vezes, não temos uma percepção muito acurada sobre quais são as melhores formas de nos sentirmos felizes hoje, amanhã e no próximo ano.

Ainda assim, nos últimos anos foram feitas diversas pesquisas na tentativa de entender algumas das melhores formas de utilizarmos tanto nosso tempo, quanto o nosso dinheiro.

Nesse artigo, vamos aprender um pouco mais sobre essas pesquisas, e sobre como podemos superar o sentimento de que “não temos tempo para nada”. Me acompanhe!

 

É possível comprar felicidade?

Bem, essa não é exatamente uma pergunta fácil de ser respondida, já que existem grandes diferenças individuais relacionadas a melhor forma de utilizarmos nosso dinheiro. Ainda assim, hoje existem pesquisas que nos revelam que o dinheiro pode sim nos deixar mais felizes, mas não tanto quanto originalmente presumimos.

De acordo com um estudo realizado na Universidade de Princeton, existe sim uma relação positiva entre dinheiro e felicidade, mas essa proporção não é linear e constante. Isso significa, que o aumento em felicidade que uma pessoa possui ao deixar a pobreza e atingir a classe média não é o mesmo aumento vivido por uma pessoa que sai da classe média e atinge a riqueza.

gráfico Dinheiro compra felicidade

Basicamente, o que acontece é que conforme a sua renda anual sobe, seus níveis de felicidade atingem um platô, onde mais dinheiro não lhe traz maior felicidade, o que nos leva a pergunta:

Por que mais dinheiro não nos traz maior felicidade? Por que atingimos um platô?

A resposta para essa pergunta foi analisada pelo pesquisador Mike Norton e outros dois colegas na Universidade de British Columbia. Mike procurou averiguar a hipótese de que quanto mais a renda de uma pessoa aumenta, também mais egoísta essa pessoa se torna, e que quanto mais egoísta alguém se torna, mais difícil é se manter feliz.

 

Felicidade e Egoismo

Para estudar essa hipótese, os pesquisadores testaram os participantes do estudo quanto a seus níveis de felicidade, e forneceram a cada um deles um envelope que continha 20 dólares. Para algumas pessoas, a ordem era para que gastassem esse dinheiro com elas mesmas (a forma com que geralmente gastamos nosso dinheiro), e para outros participantes a ordem era para que gastassem com outras pessoas (presente para um amigo, doação para um sem-teto). Ao final do dia, todos os participantes foram novamente testados quanto a seus níveis de felicidade.

O resultado mostrou que pessoas que gastaram o dinheiro com elas mesmas não tiveram níveis de felicidade superiores ao final do dia, enquanto que que as pessoas gastaram seu dinheiro com outras pessoas estavam muito mais felizes. Esses resultados ainda foram replicados em países mais pobres, como África do Sul, Uganda e Índia, sendo que em todos esses lugares os resultados foram os mesmos.

Isso nos leva a primeira conclusão desse post: de acordo com a ciência, doar pequenas quantias, como até mesmo $5, podem levar ao aumento do bem-estar para a pessoa que está doando.

(Para conhecer mais sobre as pesquisas de Mike Norton, clique aqui)

 

Qual a relação de tudo isso com a Produtividade?

Ok, nesse momento você pode estar se perguntando por qual motivo eu estou relacionando esse assunto a Produtividade. Afinal de contas, o blog LP Produtividade não se propõe a postar conteúdos apenas relacionados a produtividade?

Pois é, aqui chegamos em um ponto muito interessante!

Curiosamente, nosso cérebro processa a utilização de dinheiro de forma similar a utilização do nosso tempo. Afinal de contas, tanto o nosso tempo, como o nosso dinheiro, são recursos que estamos constantemente investindo. Se investimos corretamente, colhemos os lucros, e se investimos errado, pagamos os dividendos.

 

Felicidade e Gerenciamento do Tempo

Em outra pesquisa, novamente feita por Mike Norton, foi também testada a hipótese de que somos mais felizes ao utilizarmos nosso tempo para o bem de outras pessoas.

Os resultados mostraram que ao doarmos nosso tempo, temos a impressão de que temos mais tempo tanto agora, como no futuro, já que isso aumenta nosso sentimento de eficácia. Em outras palavras, doar nosso tempo para outras pessoas altera a nossa percepção do tempo, e faz com que nos sintamos mais eficazes e satisfeitos, aumentando assim a nossa produtividade.

Ainda assim, o estudo mostrou que as pessoas que doam muito do seu tempo acabam, na realidade, por se sentir sobrecarregadas, alterando negativamente a percepção do tempo. Na realidade, aqueles que doaram muito do seu tempo se sentiram tão pobres emocionalmente quanto aqueles que apenas desperdiçaram o seu tempo (fizeram tarefas irrelevantes).

Portanto, chegamos aqui a segunda conclusão desse post: se você está sentindo que não tem tempo, procure doar uma parte do seu tempo para alguém que está precisando dele. Faça uma massagem no seu marido/esposa, ou faça alguma ação de trabalho voluntário, ou ajude um amigo em grande projeto.

Embora isso seja contra intuitivo, o que você estará fazendo é substituir a noção de que você está sem tempo por um sentimento de eficiência e produtividade. Entretanto, não exagere, pois, a maior parte do seu tempo deve ser gasta com as suas prioridades.

 

3 Outras Formas de Alavancar sua Felicidade junto a Produtividade

1 – Compre mais Tempo

Alguns estudos vêm nos mostrando que nós podemos ser mais felizes quando utilizamos nosso dinheiro para comprar mais tempo. Espere um momento… tempo não é o único recurso que nunca conseguiríamos comprar?! Na realidade, não. “Mais tempo” é uma das coisas mais importantes que o dinheiro pode comprar, justamente porque é um recurso tão valioso.

Como a autora de “Dinheiro Feliz: A arte de gastar com inteligência”, a professora Elizabeth Dunn sugere: “Não compre um carro ligeiramente mais sofisticado para que você tenha assentos aquecidos durante o seu trajeto de duas horas. Compre um lugar perto do trabalho, de modo que você pode usar essa hora final do dia para bater uma bola em torno do parque com os seus filhos”. De acordo com um estudo realizado pela Universidade de Zurique, você provavelmente precisaria de um aumento de 40% no seu salário para compensar a infelicidade acrescentada a uma viagem de uma hora até o seu serviço.

 

Compre mais Tempo Delegando suas Tarefas

Mas não é apenas no tempo sentado no trafego que você pode comprar mais tempo. Quanto você estaria disposto a gastar para recuperar o tempo que leva para limpar a casa? Quando você estaria disposto a pagar para um assistente pessoal processar seus e-mails, ou deixar sua mesa do escritório organizada? Quanto estaria disposto a gastar para não precisar mais ir ao mercado?

Delegar tarefas é uma das melhores formas de comprarmos mais tempo. Eu entendo que isso seja especialmente complicado para pessoas que vem trabalhando muito a vida toda, e estão acostumadas a assumir diversas responsabilidades. É obvio que nós mesmos podemos trocar o óleo do nosso carro, mas será essa a melhor forma de utilizarmos nosso tempo? Será que isso te deixaria mais feliz? Caso a resposta seja sim, apenas faça, sem problemas. Caso contrário, reconsidere o quanto vale o seu tempo, e comece a gastá-lo de acordo.

 

2 – Compre Experiências

Compre memórias, e não bens materiais. De acordo com um questionário feito pelo professor Daniel Gilbert (Universidade de Harvard), cerca de 57% dos respondentes encontram grande felicidade ao comprar experiências, e apenas 34% dos respondentes falaram que bens materiais realmente os deixam mais felizes.

Isso acontece por alguma de várias razões. Em primeiro lugar, utilizar seu dinheiro para comprar experiências cria melhores conexões entre você e as outras pessoas que compartilharam esse momento com você. Essas conexões contribuem mais para seu senso de identidade do que qualquer bem material que você possa comprar.

Além disso, nós nos adaptamos a bens materiais muito mais rápido do que a experiências. De acordo com a professora Elizabeth Dunn, mesmo a compra de grandes bens, como uma casa, não deixam as pessoas mais felizes.

De acordo com a pesquisadora:

“Esta foi uma das descobertas mais surpreendentes me deparei. É muito surpreendente que muitos de nós estejam gastando rendimentos em despesas que não têm um grande impacto sobre a nossa felicidade. O sistema de felicidade humana é fundamentalmente sintonizado para mudar e as casas são muito estáveis”.

Mudança e variedade são dois grandes fatores que impactam nossa felicidade. Pense por um momento como seria a sua vida se todos os dias de trabalho fossem exatamente iguais. Entediante, não? Pois é, a compra de bens materiais comumente nos traz variedade no início, quando ainda é algo novo, mas rapidamente nos acostumamos com nossos bens, e eles deixam de nos trazer felicidade.

 

3 – Invista no seu Desenvolvimento

“Se você não está crescendo, então você está morrendo” Anthony Robbins

Nossa felicidade é altamente impactada pelo nosso progresso. Se você sente que está caminhando, mesmo que lentamente em direção às suas metas e objetivos, então você se sentirá feliz. É apenas quando estamos estagnados que acabamos murchando e nos deprimindo.

Então, existe alguma forma melhor de continuar progredindo, que não o investindo no seu desenvolvimento? Livros, palestras, cursos, coaching e consultorias. Todos servem o mesmo propósito: fornecer para você conhecimento e sabedoria, de forma que você consiga partir para ação, no caminho correto, o mais rápido possível!

Além disso, existem inúmeros livros, filmes, documentários e pessoas para você ver e conversar. As opções e oportunidades são ilimitadas. Portanto, essa pode ser a sua grande fonte de prazer e felicidade por toda a sua vida.

 

Considerações Finais

Embora as pesquisas de Mike Norton não comprovem necessariamente que o egoísmo é a causa da infelicidade para os ricos, elas fornecem um grande indicativo de que o sentimento de contribuição é realmente importante para nossa felicidade.

Quando abrimos nossa cabeça para entender quais as formas de intensificarmos nossa felicidade e nosso tempo através do dinheiro, é importante nos mantermos conscientes sobre aquilo que o dinheiro não compra. Paz interior, amor e realização não são compradas, nem mesmo com a maior quantidade de dinheiro.

Gerencie suas expectativas, pois até mesmo os pesquisadores e experts concordam que ninguém se torna feliz apenas comprando coisas. Ajudar os outros, ter melhores experiências, e ter mais tempo para você e para os outros só te deixarão mais felizes se você realmente acreditar que isso pode acontecer. Se hoje você não se sente realizado com seu trabalho, tire um tempo para pensar quais são as formas ainda melhores de você contribuir na vida de outras pessoas, e da sociedade como um todo.

Portanto, verifique o que faz mais sentido para você e comece a aplicar. Deixe nos comentários a sua opinião a respeito do tema, e me conte o que você pretende aplicar para ser ainda mais feliz a partir de hoje!

 

About Leonardo Puchetti Polak

Especialista em Produtividade Pessoal, apaixonado por alta performance, tecnologia e neurociência.

Quer receber e-mails sobre mudança de minset?

Então se inscreva na lista

redirect=/confirmacao-audio-ebook/

Seu comentário me motiva a continuar escrevendo...